1.7.11

Retratos de uma viagem por África

A Tertúlia Literária “Cacau com Livros”, alusiva ao tema Literatura Africana de Expressão Portuguesa, apelou à imaginação e criatividade de todos quantos dela fizeram parte.
Os participantes foram levados a viajar por terras de África, envolvidos por imagens, objectos, cheiros e sabores, musicalidades, e pedaços de literatura, num encontro muito pessoal entre tertulianos e a forma de escrita de dois autores em particular – Pepetela e Mia Couto.
O evento, organizado pelo Centro Novas Oportunidades de Ansião em colaboração com a Biblioteca Escolar, mereceu uma opinião muito positiva por parte de todos, tratando-se de uma actividade diferente, única e enriquecedora a todos os níveis, que primou pela boa disposição e saudável convivência entre aqueles que amavelmente aceitaram o nosso convite.


video

Sandra Amado
Formadora de CLC - LE

"Optimismo...precisa-se!"

26.4.11

Em tempos de crise, ser feliz é possível!


“Frente a tantas dificuldades é perfeitamente normal pensarmos que sob estas condições não podemos ser felizes. É exactamente sobre este momento de desânimo e pessimismo que eu quero tecer um comentário. Em situações de crise precisamos recorrer a algumas estratégias, como por exemplo, lembrarmo-nos de momentos felizes ou situações divertidas e principalmente termos a consciência de que tudo na vida é passageiro. Tanto as coisas boas como as más têm o seu tempo de vida. Entretanto podemos escolher entre demorar mais num momento ou noutro.

Às vezes potencializamos os nossos infortúnios como se estivéssemos seduzidos pelo sofrimento, quando talvez fosse mais conveniente deixarmo-nos seduzir pela alegria de viver e pela possibilidade de participarmos positivamente na vida das pessoas com quem convivemos.

Os maus momentos são inexoráveis (rigorosos), o que faz a diferença é a maneira como os enfrentamos. Os fracos querem logo fugir, enquanto os fortes, apesar do sofrimento, têm determinação para vencer. Precisamos também de utilizar a nossa inteligência para mantermos o humor, não nos levarmos muito a sério e criarmos mecanismos de defesa para recorrermos nos momentos de tempestade, pois desta forma conseguimos recobrar o fôlego a fim de desenvolvermos estratégias para resolvermos os problemas.

Olho-me no espelho e digo: Queres ser feliz? Então mexe-te e luta por aquilo que queres, pois de gente fraca e piegas o mundo está cheio. Toma as rédeas da tua vida e não te deixes dominar pelas circunstâncias negativas. Sê inteligente e transforma o veneno em remédio.”

In Revista online "Só Para Elas" e livro "A Construção da Felicidade: O Vôo da Borboleta Lilás"

O que foi para mim o RVCC


Olá, sou a Ana Cristina dos Santos Ferrete, tenho 32 anos, sou casada e tenho um filho com 10 anos.
Ao trabalhar no processo RVCC, aprendi que para conseguir algo na vida, temos que fazer sacrifícios, sermos curiosos e persistentes para alcançar os nossos objectivos.

Muitos de nós, ao início, receamos os temas que vamos abordar e o tempo de o conseguirmos fazer, por isso muitas pessoas acabam por desistir. Mas eu própria tenho a experiência de que afinal isso é só um pormenor. Quando me envolvi neste processo, comecei a ver as coisas de maneira diferente e a sentir-me cada vez mais capaz de resolver certas situações que me vão surgindo.

Aprendi muito quando fazia pesquisas na Internet, porque quanto mais se sabe, mais vontade se tem de ir mais além, e não só, todos os dias aprendemos uns com os outros. Tive o apoio das formadoras que foram incansáveis e nos ajudam no que for preciso e ainda nos ajudam a nível dos horários para podermos conciliar a vida profissional e familiar.

Estou muito satisfeita e contente por ter conseguido obter o 12.º ano, visto que foi um desejo que tive desde sempre e por razões financeiras na altura não pude fazer. Há 3 anos inha frequentado o 9.º ano também através do RVCC e valeu a pena continuar, pois lutei sempre para alcançar os meus objectivos, basta ter força de vontade e optimismo. 

O 12.º ano vai ser uma mais-valia para mim a todos os níveis, no trabalho já não dependo de ninguém para ir ver os e-mails que me são enviados, também aprendi a aceitar e a respeitar a opinião dos meus colegas. A nível pessoal, é óptimo para a minha auto-estima chegar onde queria, tendo a vantagem de poder ajudar o meu filho nos estudos e ajudá-lo quando tem que ir fazer pesquisas. É gratificante e compensatório quando um filho sente orgulho dos pais.

Posso dizer que o meu olhar sobre o futuro é de alcançar um pouco mais para, quem sabe, poder continuar os estudos. Nunca é tarde para aprender, basta ganhar asas e voar…!

Ana Ferrete

28.2.11

O esforço nunca é em vão...

No dia 15 de Fevereiro foram certificadas quatro adultas, que viram o esforço de meses recompensado!Não foi fácil, mas a persistência, o espiríto de grupo e o empenho falaram mais alto.


Aqui ficam os testemunhos de cada uma:

“Acabar o RVCC foi uma das etapas mais importantes da minha vida!”
Odete Ramalho

“No final deste processo, considero-me uma pessoa mais culta a nível geral, não só pela formação que me foi dada, mas porque, verifiquei que as pequenas coisas da vida, às quais eu não dava grande valor, afinal têm uma grande importância na formação da pessoa que sou. Só por isso já valeu a pena.”
Anabela Domingues

"Aquilo que é o melhor para nós nem sempre é o mais fácil. Mas, em última análise, é o que realmente compensa, por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no Mar. Mas, o mar seria menor se lhe faltasse uma gota.Nunca deixes de correr atrás dos sonhos, pois eles são o que move a vida.”
Susete Lourenço

“Sinto-me uma pessoa mais rica e culta. Foi bom recordar os meus tempos de escola, aprendi a dar mais valor ao meu passado. Descobri que nunca é tarde para aprender e aproveitar as oportunidades que a vida nos vem dando.”
Idalina Silva

A todas a equipa deseja os maiores sucessos pessoais e profissionais!
A Profissional RVC
Cláudia Branco

22.2.11

A concretização de um sonho...

No passado dia 27 de Janeiro, os adultos Filomena Venâncio, Flávio Neves e Maria Leone Abreu viram formalmente certificadas as suas competências. Os seus portefólios são reflexo de trajectórias de vida marcadas pela coragem com que sempre lutaram pela realização dos seus projectos. Ao longo do tempo que permaneceram em processo, os referidos adultos assumiram uma postura de aprendizagem constante, revelando-se empenhados na demostração das suas competências.

A sua passagem pelo nosso Centro fica valorizada pelo espírito de equipa presente no grupo e pela forma dedicada com que sempre trabalharam com a equipa que os acompanhou.

A equipa Técnica-Pedagógica felicita os adultos e faz votos de muitos sucessos pessoais e profissionais.
 
A Profissional RVC,
Susana Silva
 

8.2.11

Internet Segura(?)

Assinala-se hoje o Dia Europeu da Internet Segura. Se é verdade que a Internet nos abre as portas ao mundo, em todos os aspectos, também não deixa de ser verdade que a mesma está repleta de inúmeros perigos, nem todos facilmente identificáveis. Isto acontece quer com crianças quer com adultos, por isso, cada vez mais, é importante, acima de tudo, uma maior divulgação de informação em relação aos reais perigos da utilização da Internet. É essencial que todos nos protejamos e aprendamos a lidar com este novo mundo, sem que sejamos por isso prejudicados.

Aqui ficam alguns dos perigos mais habituais, a que sobretudo as crianças e os jovens estão sujeitos:

  • Visionamento de material impróprio (ex: pornografia)
  • Incitamento à violência e ao ódio
  • Violação da privacidade
  • Violação da lei
  • Encontros “online” com pessoas menos recomendáveis
  • Drogas

Pode encontrar mais informação aqui e aqui.

3.2.11

Esperamos por si...

Vozes anoitecidas...

Quadro de Malangatana, pintor moçambicano (1936-2011)

Porque anoitecem as vozes?

Porque se escondem sob o pesado negrume do tempo, da dor, da censura?

Porque, veladas, sussurram nos ouvidos dos amantes, beijados por salpicos de luar?

Porque descansam de um madrugar gritado em prol da paz, do amor, da liberdade, do pão que as mãos há muito não levam à boca?

Porque a perda carregada no peito eclipsou a esperança, roubou aos olhos o vislumbrar da luz e à voz o dom de amanhecer?

Ou tão somente porque o Sol se desencontrou da Terra, e o cansaço ensombrou o ser, e os olhos descem rendidos à condição dos homens de passarem adormecidos, dormentes, anoitecidos, cuido que, tempo demais?

Mia Couto, conceituado escritor Moçambicano de ascendência portuguesa, escreveu "Vozes Anoitecidas", um livro de contos que presenteia o leitor com a sua forma única e cativante de comunicar, moldando a língua portuguesa ao sabor da sua transbordante paixão pela escrita e pela reinvenção da palavra, ao sabor do seu sentir, numa recusa em agrilhoar vivências aos limites que a palavra impõe, porque sentir é simplesmente tão maior.

O escritor dedica este livro, que descreve como “desejo de contar e inventar”, às vozes que lhe inspiraram a escrita.

Nós dedicamos-lhe a si a nossa próxima tertúlia cujo tema é Literatura Africana de Expressão Portuguesa e que terá lugar no dia 4 de Março, pelas 20h30, na Biblioteca Escolar. 

Deixamos-lhe aqui o convite: venha connosco anoitecer a voz.

21.1.11

IV Tertúlia Literária em preparação...

Dando continuidade ao ciclo de Tertúlias Literárias, no âmbito do Projecto Novas Oportunidades a Ler+, estamos a organizar aquela que será a primeira tertúlia deste novo ano. Ainda não podemos adiantar muitos pormenores, mas em breve haverá notícias! Para já, o tema está escolhido: Literatura Africana de Expressão Portuguesa. Já sabe, na próxima tertúlia vamos até África...

O menino negro não entrou na roda


O menino negro não entrou na roda
das crianças brancas - as crianças brancas
que brincavam todas numa roda viva
de canções festivas, gargalhadas francas...

O menino negro não entrou na roda.

E chegou o vento junto das crianças
- e bailou com elas e cantou com elas
as canções e danças das suaves brisas,
as canções e danças das brutais procelas.

O menino negro não entrou na roda.

Pássaros, em bando, voaram chilreando
sobre as cabecinhas lindas dos meninos
e pousaram todos em redor. Por fim,
bailaram seus vôos, cantando seus hinos ...

O menino negro não entrou na roda.

"Venha cá, pretinho, venha cá brincar"
- disse um dos meninos com seu ar feliz.
A mamã, zelosa, logo fez reparo;
o menino branco já não quis, não quis ...

o menino negro não entrou na roda.

O menino negro não entrou na roda
das crianças brancas. Desolado, absorto,
ficou só, parado com olhar cego,
ficou só, calado com voz de morto.

Geraldo Bessa Victor, poeta, natural de Luanda

Sê voluntário! Faz a diferença!


O Conselho da União Europeia decidiu instituir 2011 como o Ano Europeu do Voluntariado (AEV-2011). Os principais objectivos são:


* reduzir os obstáculos ao voluntariado na UE;
* dar meios às organizações de voluntários e melhorar a qualidade do voluntariado;
* recompensar e reconhecer o trabalho voluntário;
* sensibilizar as pessoas para o valor e a importância do voluntariado.

Esta decisão surge, principalmente, com a urgência de promover uma cidadania mais activa, uma vez que o trabalho voluntário ainda é insuficiente face às necessidades com que todos os dias nos deparamos. Em momentos de crise, como aquele que toda a Europa e, de uma forma especial, o nosso país atravessa, o voluntariado surge como forma de ajudar a dar resposta a muitas das carências da população, não só através da colaboração com as mais diversas instituições, mas também de forma particular, muitas vezes ao vizinho que sabemos estar em dificuldades.

Se ainda não se dispôs a fazer voluntariado, o objectivo é que este seja o ano em que a decisão saia apenas do pensamento e passe à acção. Dê um pouco do seu tempo a ajudar quem mais precisa. Vai ver que não custa assim tanto e a recompensa valerá, certamente, o esforço que fez. Seja voluntário, nem que seja por um dia! Faça a diferença, na vida de outros, mas na sua também!



Para mais informações:

Site Oficial do Ano Europeu do Voluntariado

Bolsa do Voluntariado

18.1.11

Comunidade de Leitores debate Saramago

A Biblioteca Municipal de Ansião promove em Janeiro uma Comunidade de Leitores, sob o título "À descoberta de Saramago". Esta iniciativa visa tomar a obra do Nobel da Literatura, desaparecido em 2010, como ponto de partida para a partilha de leituras e reflexões, o debate e troca de ideias e, resumidamente, a fruição de textos literários, da autoria ou não de José Saramago. Esta Comunidade de Leitores será coordenada e dinamizada pela mestre Clarisse Medeiros e decorre nos dias 13 e 27 de Janeiro, entre as 18h30 e as 19h30.

As inscrições para esta Comunidade são limitadas, impõem uma idade mínima de 16 anos e podem ser efectuadas pelo contacto 236 670 203.

Fonte: CMAnsião

Mais uma oportunidade para Ler+, desta vez na Biblioteca Municipal! Inscreva-se!